O sucessor de Chico Xavier

3 ANTE O LIVRO ESPIRITA

O SUCESSOR

         — Chico Xavier já tem um sucessor?

E Chico, bem-humorado respondeu:

— Não. Seria como perguntar ao capim se ele tem sucessor. Capim é assim mesmo; morre um, nasce outro. Este é o meu caso. Considero-me abaixo do capim, pois este pelo menos serve ao boi, enquanto eu ainda nem fui para o silo, onde, então, vou servir mais.

Do Livro “Rindo e Refletindo com Chico Xavier – Volume 2” – Richard Simonetti

Capítulo: ” O SUCESSOR

Editora: CEAC – Centro Espírita Amor e Caridade – http://www.ceac.org.br/editora/loja

Livro: http://www.ceac.org.br/editora/loja/produto/143

Evangelho Segundo o Espiritismo – 150 anos: Kardec Insuperável

kardec2[2]

               P— Chico, a doutrina de Kardec continua válida? Ela ainda é atual?

 

               — Eu não vejo qualquer idéia de superação de Allan Kardec, nos dias de hoje. Até mesmo a discutida página sobre duelos está perfeitamente simbolizada nos conflitos que estamos vivendo, não a peso de armas, mas no campo vibratório; os duelos no campo vibratório são tamanhos, que somos obrigados a pensar em conflito internacional; de modo que Kardec não foi superado em ponto algum, mesmo porque, para superar os ensinamentos que ele nos trouxe, seria preciso praticá-los. E estamos ainda longe disso.

 

 A pergunta acima foi feita pelo Sr. Lafaiete Galvão, no programa de TV “A Terceira Visão”.

******

Do Livro “Kardec Prossegue” – Adelino da Silveira

Capítulo ”  – KARDEC SUPERADO “

Editora LEEPP – Livraria Espírita Editora Pedro e Paulo: http://www.leepp.com.br/

Livro: http://www.leepplojavirtual.com.br/adelino-da-silveira/kardec-prossegue.html

 

Homicida e suicida

1136_10151626905587514_1334818386_n

(do Programa Hebe Camargo – Especial de Natal com Chico Xavier- TV Bandeirantes)

P — Gostaria de saber se uma criança excepcional é carma que a gente diz em termo espiritual. No carma o sofrimento é dos pais ou é das crianças?

— A criança excepcional sempre me impressionou, pelo sofrimento de que ela é portadora, não somente em se tratando dela mesma, mas também dos pais, e isso tem sido tema de várias conversações minhas com nosso Emmanuel, que é o Guia Espiritual de nossas tarefas. Ele então disse que em regra geral, a criança excepcional é o suicida reencarnado. Reencarnado depois do suicídio recente, porque a pessoa quando pensa que se liquida, esta apenas estragando ou perdendo a roupa de que a Providência Divina permite que se sirva durante a existência, que é o corpo físico , a verdade é que ela em si é um corpo espiritual; então, os remanescentes do suicídio acompanham a criatura que praticou a autodestruição para a vida do mais além. Lá, ela se demora algum tempo, amparada por amigos, que toda criatura tem afeições por toda parte; mas, volta à terra com os remanescentes que levou daqui mesmo, após o suicídio. Se uma pessoa espatifou o crânio e o projétil atingiu o centro da fala, ela volta com a mudez; se atingiu apenas o centro da visão, volta cega, mas se atingiu determinadas regiões mais complexas do cérebro, vem em plena idiotia, e aí os centro fisiológicos não funcionam. A endocrinologia teria de fazer um capítulo especial para estudar uma criança surda, muda, cega, paralítica, porque aí a criatura seria uma vida no santuário da vida, que é a parte mais delicada do cérebro. Se ela suicidou-se, mergulhando em águas profundas, vem com a disposição para o enfisema, o enfisema infantil ou da mocidade nos primeiros dias da vida; se ela se enforcou, vem com a paraplegia, depois de uma simples queda, que toda criança cai (do colo da ama, do colo da mãezinha); então, quando o processo é de enforcamento, a vértebra que foi deslocada vem mais fraca e, numa simples queda, a criança é acometida pela paraplegia. E nós vemos por aí outras crianças que vêm completamente perturbadas: a esquizofrenia, por exemplo, dize-se é do suicídio depois do homicídio. O complexo de culpa adquire dimensões tamanhas que o quimismo do cérebro se modifica e vem a esquizofrenia como uma doença verificável, porque através dos líquidos expelidos pelo corpo é possível detectar os princípios de esquizofrenia; mas o esquizofrênico é o homicida que se fez suicida, porque o complexo de culpa é tão grande, o remorso é tão terrível que aquilo se reflete na próxima vida física da criatura durante algum tempo ou muito tempo.

Do Livro “Chico, de Francisco” – Adelino da Silveira

Capítulos  – ” OS EXCEPCIONAIS “

Editora Cultura Espírita União – CEU

Pureza Doutrinária é diálogo construtivo

1382811_1384963271745363_1497360917_n

PChico Xavier, você acha que a defesa da pureza doutrinária seja um perigo para a evolução das idéias espíritas, prejudicando novas contribuições para nosso entendimento?

R Pessoalmente creio que devemos cultivar o patrimônio da Codificação Kardequiana e defendê-lo, assumindo atitudes francamente espíritas-cristãs, mas a meu ver, deveremos criar caminhos de encontro com  os nossos  irmãos de outros setores do mundo cristão, sem comprometer-nos em qualquer perda de substância ou de altura, no campo doutrinário de nossos princípios libertadores. Emmanuel sempre nos diz que nos achamos num caminho de trabalho pela confraternização e valorização de cada criatura em si, motivo pelo qual admito que o diálogo entre nós, cristãos de qualquer procedência é sempre necessário e construtivo.

Fonte: Encontros no Tempo – IDE – 1979. Pureza Doutrinária it 67.

Mediunidade é Sintonia

421341_419199311461081_962845696_n

P – Chico Xavier, qual sua opinião sobre o problema da mediunidade na fase atual?

R – Mediunidade é sintonia. Subamos aos cimos da virtude e do conhecimento e a mediunidade, na condição de serviço de sintonia como o Plano Divino, se elevará conosco.

Quanto ao aspecto geral do assunto, urge nos afastemos das demonstrações puramente fenomênicas para nos devotarmos, na atualidade, à obra de reconstrução cristã do mundo, pela restauração, dos valores morais da humanidade, mediante a melhoria de nós mesmos.

*Fragmento da Entrevista concedida por Francisco Cândido Xavier,ao Dr Lauro Michielin,  no ano de 1950 em Pedro Leopoldo-MG.

Fonte: Questão 62 do livro: Entender Conversando – IDE Editora, 1984.

A Fome no Mundo

piramide-alimentar-guia-para-uma-alimentacao-saudavel-1-1-100

P –   Chico Xavier, pode-se esperar uma grande fome para os próximos anos?

R – Este assunto tem sido estudado por técnicos das nações de vanguarda no progresso econômico e cultural da humanidade; vale observar, porém, na condição de criaturas convencidas quanto à existência de Deus e da sobrevivência do espírito, que não podemos guardar qualquer impressão negativa, quanto ao problema, porque trabalho é sempre um prodígio da natureza humana e, através desse recurso mágico a que chamamos trabalho, descobriremos, cada vez mais, novas técnicas de produção, novos melhoramentos e sabemos que nos achamos muito longe ainda de explorar todos os recursos do Planeta, em favor de nossa própria alimentação.

Façamos um parêntese no assunto e recordemos que, se todos nos dedicarmos no Brasil a plantar mais um pouco e, a trabalhar um tanto mais, além de nossos próprios deveres, indubitavelmente conseguiremos prover-nos com todos os recursos de que temos necessidade ainda, em nosso relacionamento comum.

Fonte:
A Terra e o Semeador – editora IDE-1975.

Tecnologia e Desastres Coletivos

2_chico001'

P – Chico Xavier, ultimamente tem havido uma série de desastres que culminam em desencarnação em massa. Como a Doutrina Espírita explica isso?

R- “Acreditamos na Doutrina Espírita, segundo a qual todas essas ocorrências são subordinadas a leis de causa e efeito. Apesar disso, nós estamos caminhando cada vez mais para um mundo de tecnologia muito avançada. E se não iluminarmos as nossas conquistas científicas com o amor que Jesus nos legou na civilização cristã, sem dúvida seremos obrigados a admitir que a tecnologia pode nos conduzir a desastres coletivos de maior expressão, comprometendo o progresso da Humanidade.”

Fonte:
A Terra e o Semeador 94 – Francisco Cândido Xavier/Emmanuel – IDE – julho 1975.
Entrevistas arquivadas por Salvador Gentile entre 1958 e 1975.

Violência X Inteligência

156514_423317534382592_1824409085_n (1)

P – Chico Xavier, a violência do mundo atual é uma mostra de que estaríamos vivendo o fim dos tempos? Resumindo: Violência… sinal dos tempos?

R- Permita-nos um contra-pergunta: não será a violência o resultado de nosso pretendido afastamento da fé religiosa, segundo o materialismo da inteligência deteriorada, que tenta convencer-nos de que não passamos de animais sadios ou doentes da civilização?

Suicídio e Reestrutura do Corpo Espiritual

P – Chico,  como você vê o suicídio? De que maneira e com que traumas se reencarnam as pessoas que se matam: a) por tiro no ouvido, b) por veneno, c)jogando-se embaixo de um carro, d)através de superexposição à radiação atômica, e) através do enforcamento?

R – O suicídio está ligado ao senso de responsabilidade. Nosso Emmanuel explica que somos culpados por aquilo que conhecemos como sendo uma atitude imprópria para nós. Porém temos ainda povos, que adotam o suicídio como norma de comportamento heróico. Demonstram que não possuem conhecimento exato sobre a responsabilidade de viver, produzir o bem, como nós os cristãos fomos instruídos pelos evangelhos de Nosso Senhor. A escola de Jesus nos prepara para a construção de um mundo melhor, de amor e paz, não obstante os conflitos e guerras que temos sofrido, ou que estejamos sofrendo. Para nós, os cristãos, o suicídio já adquire dimensões diferentes, porque somos chamados para valorizar a vida, compreender o sofrimento como processo educativo e reeducativo de nossa personalidade. É algo de ingratidão para com os poderes supremos que regem os nossos destinos. O suicídio, para aqueles que conhecem a importância da vida, impõe um complexo culposo muito grande nas consciências. Então, nós os cristãos, que temos responsabilidades de viver e compreender a vida, em suicidando, nós demandamos o além com a lesão das estruturas do corpo físico. São espíritos doentes, espíritos enfermiços que recebem carinho especial dos protetores espirituais. Se damos um tiro no crâneo, conforme a região que o projétil atravessa sofremos no além as lesões consequentes. Mas o problema que está dentro de nós, na hora de voltar à Terra, faz com que peçamos para assumir dificuldades inerentes às próprias culpas. Assim:

1.se a bala atravessa o centro da fala, naturalmente vamos retomar o corpo físico em condições de mudez. Se corrompe o centro da audição é natural que a surdez nos acompanhe. 

2.se atravessa o centro da visão, vamos renascer com processo de cegueira.

3.se nos precipitamos de alturas e aniquilamos o equilíbrio das nossas estruturas espirituais, vamos voltar com determinadas moléstias que afetam o nosso equilíbrio.

4. quando nos envenenamos, envenenamos nossas vísceras, somos candidatos, quando voltamos à Terra, através da reencarnação,  ao câncer nos primeiros dias da infância, ao problema de fluidos comburentes que criam desequilíbrio no campo celular. Muitas vezes encontramos numa criança recentemente nascida um processo canceroso que nós não sabemos justificar, senão pela reencarnação, porque o Espírito traz consigo aquela angústia, aquele desequilíbrio que se instala dentro de si próprio.

5.pelo enforcamento, trazemos determinados problemas de coluna e caímos logo nos processo de paraplegia. Somos crianças ligadas, parafusadas ao leito durante determinado tempo, em luta de autocorrigenda, de autopunição, de reestruturação de peças do nosso corpo perispiritual.